UM POUCO DE

HISTÓRIA

A impressão 3D é uma tecnologia que está se popularizando e que provavelmente mudará a forma como a sociedade compartilha objetos, adquire ferramentas, inventa produtos e cria novas obras de arte. Exemplo disso é que, atualmente, empresas como Shapeways, Ponoko e Materialise aproveitam a internet para estruturar centros de manufatura capazes de fabricar objetos 3D sob demanda, enquanto sites como Thingiverse, Physibles e YouMagine servem como repositórios web nos quais a comunidade em geral pode encontrar e compartilhar modelos 3D para impressão. Segundo Burtonwood e Clake (2014), esses modelos podem ser desenvolvidos ou adaptados por pessoas comuns com software gratuito, como Blender ou OpenSCAD.

Todavia, ter uma impressora 3D em casa ainda não é uma realidade para a maioria das pessoas. Espera-se, no entanto, que este cenário mude com o desenvolvimento de impressoras 3D Open Source. Por exemplo, Lino (2014) propôs o desenvolvimento de uma impressora 3D funcional de baixo custo para ser construída em casa por pessoas com pouco conhecimento no assunto. Seu trabalho se baseia em um projeto Open Source chamado RepRap, que disponibiliza gratuitamente à comunidade o desenvolvimento de impressoras 3D capazes de imprimir objetos plásticos.

Segundo Srinivasan e Bassan (2012) “O projeto está disponível gratuitamente, qualquer um pode baixar, fabricar e vender a RepRap. Muitos indivíduos e pequenas companhias, fabricam e vendem as RepRaps online, em forma de kit desmontado, ou totalmente montada e testada”. Ressalta-se ainda que a impressora RepRap seja auto replicável, pois muitas de suas partes são plásticas. De acordo com Leitão (2014), as impressoras 3D autorreplicáveis permitem aos usuários imprimir as peças necessárias para a construção de outra impressora. Assim, entusiastas podem ser estimulados na fabricação caseira de impressoras 3D por meio da replicação destas mesmas impressoras. Ora, o vislumbre dos desdobramentos desta característica pode levar alguém a acreditar que ter uma impressora 3D de baixo custo em casa será em breve uma realidade para a maioria das pessoas. Porém, de acordo com Kelly (2014), a construção de uma impressora 3D pode ser um trabalho estressante, que demanda tempo, havendo a necessidade de examinar imagens demonstrativas, compreender diversas instruções de montagem e certificar-se de que todas as peça e ferramentas necessárias para a montagem estão à disposição.

De fato, o processo caseiro de fabricação de uma impressora 3D Open Source não é algo tão simples, de modo que o vislumbre de sua complexidade pode desmotivar o leigo a realizá-lo.

SOBRE A TECNOLOGIA

FDM

Em 1989, Scott Crump inventou e patenteou uma técnica chamada FDM - Fused Deposition Modeling, ou Modelagem por Depósito de Material Fundido.

Segundo Dabague (2014), esta é uma técnica de impressão 3D que se popularizou. Trata-se de uma extrusora com bico aquecido capaz de se movimentar nas três dimensões do espaço. Este bico derrete um filamento termoplástico formando um cordão fino que é depositado sobre a superfície de uma mesa aquecida. Assim, a extrusora deposita o filamento de uma camada de acordo com o formato do objeto e se eleva na altura da próxima camada, repetindo o processo até que todo o objeto esteja impresso conforme mostra a figura ao lado.

De acordo com Burtonwood e Clake (2014), em 1989 Crump fundou a Stratasys11, a primeira empresa a fabricar e comercializar impressoras 3D baseadas em FDM. A primeira impressora comercializada recebeu o nome de “Modelador 3D”. Devido ao seu funcionamento ser mais simples que o das tecnologias anteriores, a FDM é atualmente predominante na impressão 3D de uso pessoal.




EXEMPLO DE IMPRESSÃO

FDM